Seu navegador não suporta javascript!

Programa de Parcerias de InvestimentosPPI

Desestatização do serviço postal entra em nova fase com avaliação dos Correios

Home > Notícias > Desestatização do serviço postal entra em nova fase com avaliação dos Correios

14 de maio de 2021

Desestatização do serviço postal entra em nova fase com avaliação dos Correios

Desestatização do serviço postal entra em nova fase com avaliação dos Correios
O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) divulgou, nesta quinta-feira (13/5), a seleção do consórcio Carta Brasil para realizar estudos e definir diferentes alternativas de parcerias com a iniciativa privada para o serviço postal brasileiro. O consórcio é formado pela KPMG e pela Manesco, Ramires, Perez, Azevedo Marques Sociedade de Advogados.
 
O consórcio foi o vencedor do processo seletivo coordenado pelo BNDES e será responsável, ainda, pelos serviços de due diligences contábil e jurídica e de avaliação econômico-financeira dos Correios. 
 
Afora a nova contratação da due diligence, os estudos para desestatização já estão em andamento desde agosto de 2020, e a fase 2 foi iniciada com a inclusão dos Correios no Programa Nacional de Desestatização (PND) em abril. Nessa fase, o consórcio Carta Brasil atuará em conjunto com o BNDES e com o Consórcio Postar, composto por Accenture e Machado, Meyer, Sendacz, Opice e Falcão Advogados, já contratados desde a fase 1 do projeto.
 
“Para atender os inúmeros desafios de um estudo dessa natureza, com o início da segunda fase do projeto, estamos reforçando o time com assessores de primeira linha, para que o processo de desestatização dos Correios siga evoluindo tempestivamente com todo o rigor técnico necessário”, comenta o diretor de Privatizações do BNDES, Leonardo Cabral.
 
Enquanto na fase 1 do projeto foram elaborados estudos de mercado, diagnóstico setorial nacional e internacional, estudo regulatório e proposição de alternativas de parcerias, nesta fase 2 será aprofundado e detalhado o modelo a ser adotado para a desestatização do setor postal, a partir das alternativas aprovadas pelo Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (CPPI).
 
É também nesta fase que será feita a avaliação econômico-financeira dos Correios, após uma rigorosa due diligence contábil e jurídica da empresa, que servirá de apoio à modelagem da concessão do serviço postal. O modelo final, que será submetido novamente ao CPPI, deverá considerar o atendimento universal do serviço postal em todo o território nacional brasileiro e a melhoria na qualidade do atendimento aos clientes, entre outras premissas. 
 
“Essa contratação marca a segunda etapa dos estudos dos Correios para avançarmos com as análises técnicas com qualidade e chegarmos ao final do processo com a segurança do melhor caminho para a empresa se modernizar e alçar novos voos”, enfatiza a Secretária Especial do PPI, Martha Seillier. 
 
Os estudos têm sido coordenados pelo BNDES, com a supervisão do Comitê Interministerial instituído pelo Decreto nº 10.066/2019, que também qualificou a empresa no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI). Formado por membros dos ministérios da Economia e das Comunicações, além dos próprios Correios, o Comitê tem como objetivo acompanhar e opinar sobre os estudos que serão realizados.

Leia outras notícias

  • Estados apresentam projetos de parcerias em segundo encontro virtual promovido pelo PPI

    Continue lendo
  • Município de São Simão/GO abre consulta pública para a concessão dos serviços de abastecimento de água, esgotamento sanitário e resíduos sólidos

    Continue lendo
Acesso à Informação
Governo do Brasil